ReinoAnimalia
FiloChordata
ClasseActinopterygii
OrdemClupeiformes
FamíliaClupeidae
Género
Espécie

Alosa alosa

Linnaeus, 1758
Sável
Estatuto de Conservação: LC - Pouco Preocupante
Saber mais

Corpo é comprimido lateralmente, bastante alto, e a cabeça é curta e alta, triangular e comprimida. A barbatana dorsal está situada ao nível das ventrais, sendo um pouco mais comprida do que estas. Apresenta cor azul, cabeça acastanhada com um tom dourado no opérculo e os flancos prateados. Mede geralmente entre 30 a 50 cm, podendo atingir os 70 cm de comprimento máximo.

Espécie pelágica (até aos 300m de profundidade) migratória que vive no mar até atingir a fase adulta.Para se reproduzir procura rios de maiores dimensões e de corrente moderada e os juvenis permanecem próximos da costa e dos estuários, migrando para meio marino em zonas ricas em plâncton. Em água doce, as larvas de Alosa alosa alimentam-se de zooplâncton e larvas de dípteros e no mar os adultos para além do zooplâncton alimentam-se também de outros peixes mais pequenos.A migração decorre entre Março e Julho e a reprodução entre Maio e Julho. A desova ocorre no leito do rio, a profundidades inferiores a 1.5 m, em fundo arenoso ou de cascalho.

Costa Atlântica, do norte da África até a Escandinávia e partes ocidentais do Mediterrâneo. Actualmente é uma espécie rara na Europa do Norte e ilhas Britânicas, e é considerada extinta em alguns rios europeus. Em Portugal as populações têm vindo a decrescer drasticamente (ocorre nas bacias hidrográficas dos rios Minho, Lima, Vouga, Mondego,Tejo e residualmente no Guadiana)

Onde se pode encontrar:
Apesar de ter o estatuto Pouco Preocupante pelo IUCN, esta espécie tem o estatuto Em Perigo em Portugal continental (redução da população em 50% de individuos maduros nos últimos 15 a 18 anos). As ameaças prendem-se com a fase continental do seu ciclo de vida e delas destacam-se a construção de barragens que alteram as zonas de desova ou impedem o seu acesso, a alteração do regime natural de caudais, a poluição, a exploração de inertes e a sobrepesca.
A Alosa alosa está abrangida pela legislação nacional e internacional de conservação.

- Implementação de passagens para peixes, para permitir o acesso da espécie às zonas intermédias e superiores das bacias hidrográficas, onde ocorre a desova e efectuar a reabilitação dos locais de reprodução habituais.
- Controlo da poluição e da extracção de inertes, o restabelecimento dos regimes hidrológicos naturais e a gestão sustentada da pesca
- Monitorização das populações existentes e campanha de sensibilização do público em geral e das comunidades piscatórias ribeirinhas, em particular, para a importância da sua conservação
Mais sobre esta espécie nas ligações seguintes:
Plano Setorial da Rede Natura 2000 - Fichas de caracterização ecológica e de gestão das espécies de peixes constantes do Anexo II da Diretiva Habitats
Disponível no portal do ICNF
Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal (2005)
Disponível no portal do ICNF
Autor: MVBIO
Descrição Habitat Distribuição Multimédia Ameaças Conservação