ReinoAnimalia
FiloChordata
ClasseMammalia
OrdemCarnivora
FamíliaHerpestidae
Género
Espécie

Herpestes ichneumon

(Linnaeus, 1758)
Sacarrabos, Mangusto, Escalavardo
Estatuto de Conservação: LC - Pouco Preocupante
Impacte das Alterações Climáticas sobre a espécie
Saber mais

Trata-se de um carnívoro de corpo largo e fusiforme, que pode atingir, aproximadamente, 1 m de comprimento (corpo + cauda). Na cabeça, relativamente pequena em comparação com o corpo, destaca-se o focinho escuro, pontiagudo e afunilado; as orelhas curtas, largas e arredondadas; e os pequenos olhos cor-de-mel, de pupila horizontal. A pelagem é espessa e uniforme, de coloração castanho-acinzentada, por vezes pardacenta; mais curta e acastanhada durante a época estival. A cauda é comprida, afunilando da base para a extremidade, destacando-se um tufo de pêlos mais escuros na ponta. Os membros são curtos e mais escuros na extremidade; cada pata tem cinco dedos, providos de garras não retrácteis.

Espécie tipicamente mediterrânica, de hábitos diurnos, que ocorre, preferencialmente, em áreas de montado, mas também em matos e matagais com extracto arbustivo bem desenvolvido, assim como nas orlas de galerias ripícolas ou de outras zonas húmidas com uma boa densidade de vegetação marginal. Escava tocas com galerias subterrâneas, normalmente em áreas mais abertas.

Espécie nativa do continente africano que, na Europa, ocorre exclusivamente no sudoeste da Península Ibérica. Apesar de estar presente, praticamente, em todo o território nacional (ausente no noroeste), em Portugal continental ocorre, sobretudo, na metade sul do país, sendo mais frequente nas regiões do Alentejo e do Algarve. No entanto, nas últimas décadas, tem-se verificado uma forte tendência de expansão para norte, sendo cada vez mais frequente nestas regiões. Até há pouco tempo, acreditava-se que esta espécie teria sido introduzida na Península Ibérica pelo homem, no entanto, estudos recentes apontam para um claro distanciamento a nível genético, entre as populações ibéricas e as norte-africanas, o que poderá suportar o cenário de dispersão natural através do estreito de Gibraltar, durante as flutuações do nível do mar, no final do Pleistoceno.

Onde se pode encontrar:
Sem ameaças a destacar.
Sem medidas a destacar.
Viverra ichneumon
Mais sobre esta espécie nas ligações seguintes:
Did the Romans introduce the Egyptian mongoose (Herpestes ichneumon) into the Iberian Peninsula?
Detry et al. (2018)
Estudo dos parasitas gastrointestinais do sacarrabos (Herpestes ichneumon) e outros carnívoros silvestres coabitantes, com relevância em Portugal.
Lopes (2013)
Previsão da distribuição da espécie no futuro
Iberia Change | Biodiversidade e Alterações Climáticas na Península Ibérica: Mapa da espécie
Geographic variation and sexual dimorphism in body size of Egyptian mongoose (Herpestes ichneumon, Linnaeus, 1758) (Mammalia, Carnivora, Herpestidae) in the western limit of its European distribution.
Bandeira et al. (2016)
Expansão do sacarrabos Herpestes ichneumon (Linnaeus, 1758) em Portugal.
Barros & Fonseca (2011)
Control of carnivore overpopulation (Egyptian Mongoose and red fox): study case in the council of Azambuja (Portugal).
Teodósio & Seixas (2015)
MITRA nature | ICAAM - Universidade de Évora
Biodiversidade da Herdade da Mitra
Bio-ecologia do sacarrabos (Herpestes ichneumon) em Portugal.
Bandeira (2016)
Importância dos Saca-Rabos (Herpestes Ichneumon) como Reservatório de Mycobacterium avium subsp. paratuberculosis. Deteção por Técnicas Tradicionais e Moleculares.
Matos et al. (2012)
Genetic signature of the northward expansion of the Egyptian mongoose Herpestes ichneumon (Herpestidae) in the Iberian Peninsula.
Barros et al. (2016)
Estatuto e distribuição do sacarrabos (Herpestes ichneumon) em Portugal.
Barros (2009)

Previsão do impacte das alterações climáticas sobre a área de distribuição potencial do Herpestes ichneumon na Península Ibérica, até ao ano de 2080 (clicar na imagem para ver em maior resolução).

O clima futuro foi caracterizado com base em três diferentes cenários de emissões (Araújo et al., 2012):
> o BAMBU tem como base a extrapolação das políticas europeias actuais para o futuro. Prevê a adopção de algumas medidas de mitigação das alterações climáticas.
> o GRAS pressupõe que a Europa incrementa a tendência de liberalização, desregularização e globalização dos mercados. Prevê a adaptação da sociedade às alterações do clima em detrimento da sua mitigação. As políticas de sustentabilidade são consideradas um sinónimo de crescimento económico.
> o SEDG pressupõe a integração de políticas ambientais, sociais, institucionais e económicas num contexto de sustentabilidade. É um cenário normativo que parte do pressuposto que as políticas são definidas com vista à obtenção de objectivos concretos.

Autor: David Germano
Descrição Habitat Distribuição Multimédia Ameaças Conservação Sinonímias